Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desafio de Escrita

Tema 2 - José da Xã

23
Mai21

Atravessou a rua pejada de viaturas da polícia e outras descaracterizadas que cortavam totalmente o trânsito da rua, serpenteando por entre elas até chegar ao passeio contrário onde surgiu um corpo já tapado com um pano branco. A seu lado reconheceu um velho inspector, mas de outra brigada. Assaz gordo Arcílio tinha quase todos os vícios: fumador, jogador, preguiçoso e lambão.

- Bom dia Arcílio, que fazes aqui? – e estendeu-lhe o punho para um cumprimento.

- Olha o Val… Acordaste cedo hoje! – e deu uma risada.

- Pois acordei… Ou melhor acordaram-me… Já te perguntei o que fazes aqui. Isto é um homicídio não uma rusga.

O outro saca de um cigarro, acende-o com o isqueiro voltando as costas contra o vento e tapando com a mão. Depois devolve:

- Isso pensas tu… Já viste a vítima?

- Ainda não… Deixa-me espreitar…

Levantou o lençol, olhou demoradamente e depois anunciou:

- Uma jovem entre 30 a 35 anos, conhecia quem a matou e quem o fez era canhoto.

- O problema reside aí…

- Onde?

- No sexo…

Valdemar não entendeu:

- Agora não percebi…

- Há três anos essa Arcizete que está aí morta chamava-se Octávio…

- Ok. Isso quer dizer o quê? Alguém a matou…

- Pois… 

Valdemar percebeu, mas não deu seguimento à conversa. Perguntou:

- Sabes onde morava a vítima?

- No terceiro andar desse prédio aí – e apontou com o queixo.

- Vamos lá?

- Nem penses… Nunca mais chegaria lá acima!

O jovem inspector riu e dirigiu-se ao velho e degradado edifício. Assim que entrou subiu ao nariz um cheiro a bafio. A cada degrau que pisava este rangia sob o seu peso. Valdemar temia que o passo seguinte fosse desfazer a velha e carunchosa escada de madeira. No cimo do prédio o patamar era mal iluminado por uma pequena janela redonda que havia muito tempo que não via limpeza. À esquerda encontrou a porta aberta de um apartamento e um polícia do lado de dentro a guardar. Identificou-se e penetrou num local ínfimo onde reinava a confusão. Parecia que alguém havia entrado ali em busca de qualquer coisa. Tentando não tocar em nada Valdemar foi escolhendo os sítios para colocar os pés com todo o cuidado. Andou pela sala, entrou numa divisão onde mal cabia a cama, seguiu-se a casa de banho também ela demasiado acolhedora, para terminar na cozinha.

Abriu armários, vasculhou alguns e quando deu por terminada a pesquisa regressou ao patamar para voltar à rua. Nesse mesmo instante Arcílio acabava de chegar ao piso tentando respirar. Valdemar aguardou que o colega recuperasse o fôlego para começar a descer.

- Já vais?

- Já!

- Alguma novidade?

- Humm, nada de interessante.

- Vou só dar uma espreitadela.

- Ok, vou indo!

Ainda antes de começar a descida Valdemar declarou:

- Olha Arcílio afinal havia outro… fogão! – e principiou a descer as escadas.

O obeso inspector coçou a cabeça e sem entender patavina encolheu os ombros e penetrou no apartamento.

 

José da Xã escreve aqui.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.