Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desafio de Escrita

Tema #2.5 Alice Barcellos

03
Mar20

Carta de Alepo

Abri os olhos, lentamente, para mais um despertar. Pelas frestas da janela, vi que estava sol, os pássaros chilreavam no jardim. Deixei-te a dormir e levantei-me sorrateiramente, depois de dar-te um beijo silencioso na boca. Abri a porta da cozinha aos cães que me deram o seu "bom dia" efusivo, entre saltinhos e lambidelas, contribuindo, ainda mais, para uma manhã que já se avizinhava perfeita.

Fiz um café forte, vi as notícias no telemóvel e liguei aos meus pais. Falamos, longamente, comentando como o verão estava a ser claro e luminoso. Espreguicei-me na cadeira da cozinha e segui até ao jardim, onde as flores tinham voltado a aparecer. Os primeiros limões começavam a crescer, amarelos, no limoeiro que o meu avô tinha ali plantado.

Calcei-me e segui caminho até à biblioteca para requisitar um livro de poesia. Sim, apetecia-me ler poesia e regressar aos grandes poetas da Antiguidade. Vestia o meu leve vestido floral e calçava umas sandálias gastas de couro. Para afugentar o calor, prendi o cabelo num rabo-de-cavalo que balançava ao ritmo dos meus passos apressados. Já não precisava andar com panos a tapar-me, o que era um grande alívio nos dias quentes de verão. As crianças brincavam nas ruas e o souq começava a ganhar vida com os pregões dos vendedores.

Entrei na biblioteca e respirei o silêncio denso que encerra séculos de saber, entre as grandes prateleiras recheadas de livros. Até que ouvi um grande estrondo, boom, e aninhei-me num canto, assustada.

Abri os olhos, rapidamente, para mais um dia, que pode ser o último para alguém por aqui. Acordei estremecida com mais um bombardeamento. Nunca me vou conseguir habituar ao barulho das bombas e ao tremor de terra que elas provocam. Por instantes, sorri, quando me lembrei que tinha sonhado que estávamos em paz e que saía de casa para um passeio até à biblioteca, num típico dia de verão. Ainda dormias ao meu lado e o nosso jardim tinha flores. Os meus pais estavam vivos e as crianças brincavam nas ruas. A biblioteca ainda estava de pé.

Será que um dia a guerra acaba? Escrevo-te esta carta sem saber se vai chegar ao destino final. Espero, em breve, conseguir fugir daqui e juntar-me a ti do outro lado da fronteira. Não sei o que me espera, mas será melhor do que ver todos os dias tanta destruição e morte. Ao menos, o nosso limoeiro continua plantado no jardim. Só espero que não seja o único a resistir.

Um abraço apertado da tua Láyla

 

 

Tema da semana: Acordas e tudo o que mais desejavas realizou-se: conta-nos o teu dia

Alice Barcellos escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook