Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desafio de Escrita

Tema #10 3ª face

19
Nov19

unnamed(1).jpg

crédito da imagem 

Será aquilo a que chamamos destino o simples resultado da nossa predisposição genética para agir?

Serei eu responsável pela impulsividade que não consigo controlar?

A Ilha do Pessegueiro não fica assim tão longe de Porto Covo.

Mas apenas quando estamos do lado de cá, a contemplar aquele pedaço de terra teimosa, enquanto trauteamos a canção do Rui Veloso.

Na maré alta e com corrente forte, não é bem assim.

Sobretudo quando nem sequer se sabe remar…

Ao fim de uns minutos a tentar controlar o barquinho, cedi à força da corrente.

Já nem sentia os braços.

Deixei-me ir…tinha sede.

Tanta sede!

O sol queimava quando fechei os olhos. 

Subitamente, debaixo de um oleado amarelo, saiu uma figura robusta, que me sacudiu:

- Não durma, menina, não pode! Estamos quase a chegar…

Mas eu, ressequida e exausta, entreabria os olhos e voltava a fechar.

Por diversas vezes…

Era um homem novo, vestido com roupas estranhas: um turbante vermelho e uma túnica larga e comprida, apertada elegantemente com um cinto, cujo brilho da fivela me ardia nos olhos.

É o vizir! O vizir de Odemira!

Que por amor se matou novo

Aqui, no lugar de Porto Covo!

É o seu fantasma que me transporta na barca para o purgatório, como descrevia Gil Vicente!

Morri!

Porém, continuava com aquela sensação de queimadura que me dilacerava o corpo todo, por dentro e por fora!

Tomara já sentir a frescura do paraíso!

- Já chegámos? Já chegámos? - perguntei.

- Está quase, menina, não durma, mantenha os olhos abertos.

De vez em quando, mesmo através das pálpebras semicerradas, eu via a luz.

Aquela luz que dizem existir quando morremos.

É forte.

É azul.

- Já chegámos? Já chegámos, Vizir?

- Calma menina! Há muito trânsito com o pessoal que está a sair das praias e sabe que esta estrada é estreita. A ambulância está com as luzes de emergência mas, ainda assim, é difícil.

Logo, logo, chegaremos ao Hospital. 

Com esforço, arregalei os olhos.

O manto do vizir era vermelho e tinha o nome bordado:

Bacalhau da Silva, Bombeiro de 2ª

Ainda o ouvi perguntar, antes de voltar a perder os sentidos:

- E como é que se chama a menina? Como foi parar dentro de um barco na zona das rochas, onde se apanha o mexilhão? É que estava completamente nua e nem sequer tem documento de identificação…

 

Tema da semana: Já chegamos? Já chegamos?

3ª Face escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook