Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desafio de Escrita

Tema #2.6 - A Outra

09
Mar20

Oh não, outra vez um vírus!

Toda a gente fala do novo vírus, não sítio onde se esteja que não haja uma tv a passar informações sobre os novos casos, as suspeitas, as quarentenas e as especulações todas que vêm a seguir…

Eu já deixei de ver notícias há muito tempo e acho que é uma decisão sensata, a sério. Se todos os dias estivesse a receber repetidamente informações sobre o vírus, já estava mesmo paranoica!

Lá no hospital (e não, não sou da área de saúde, sei que esses estão mais expostos) criaram uma cabine, ou quiosque, ou sei lá que raio é …para pré-triar os potenciais infetados com o novo Covid-19. É que já nem chegam a entrar na urgência… É bem pensado. Prevenir que haja (potencial) contágio.

Na escola do meu filho já me avisaram de manhã, se tiver febre fica em casa. Assim, sem mais. Se estiver na escola e começar com febre temos de ir imediatamente buscá-lo, caso contrário o miúdo fica fechado numa sala à espera, com uma máscara posta à espera que vamos busca-lo.

E eu pergunto? What?! Mas é mesmo necessário este alarmismo todo? Ou sou eu que estou a subvalorizar a coisa? Cansam-se disto até ao verão? É que quero ir de férias!

Ate lá, vou-me rindo com as piadas bem boas que correm na internet a respeito…

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

A Outra escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Alice Barcellos

09
Mar20

Mais de 50 mil pessoas, das 100 mil infetadas no mundo, já recuperaram do coronavírus, de acordo com as últimas informações divulgadas. Decidi abrir este texto com um dado mais positivo, uma vez que o lado negativo desta epidemia está a dominar as notícias e, por consequência, as mentes de grande parte das pessoas.

Não quero, contudo, retirar o peso dos números daqueles que não resistiram a esta nova versão do coronavírus, mais de 3 mil pessoas morreram na China e quase 300 no resto do mundo. Tudo indica que os números de infetados e de mortes vão aumentar durante os próximos tempos até que o surto venha a ser controlado.

Não há dúvidas de que temos motivos para ficar preocupados. Ninguém quer ficar doente ou ver quem lhe é próximo doente. Andamos todos mais apreensivos, principalmente, quando vamos nos transportes públicos ou em lugares fechados com maior concentração de pessoas. Estamos a ser bombardeados diariamente com notícias sobre o tema e não há máscaras suficientes que nos ajudem a filtrar tanta informação.

Pelo meio do caminho, vamos nos cruzando com a opinião das pessoas. Há quem esteja paranoico, há quem esteja relaxado. Há os que defendam o uso de máscaras e luvas, há quem defenda que lavar mais vezes as mãos e não estar a tocar na face é o suficiente.

Com a expansão do coronavírus, foi reforçada a ideia de que já estamos a ser assolados por outros "vírus": o da ignorância, o da intolerância e o da indiferença. Vivemos num mundo cada vez mais dividido e insensível ao que acontece com o "vizinho do lado". Nunca tivemos um acesso à informação tão facilitado, mas parece que nos contentamos com aquilo que nos é dado nos feeds das nossas redes sociais - uma bolha alimentada pelos nossos próprios interesses pessoais.

Sou otimista quanto à epidemia do coronavírus. Vai ser controlada. Sinto-me triste pelas consequências negativas e pelas vidas perdidas. Se tenho algum receio de ser contagiada? Sim, tenho, seria uma hipocrisia dizer que não. Mas tenho mais medo de outros vírus para os quais não vejo fim à vista. Porque a intolerância e a indiferença também matam e, ao longo da história, já provaram ser bem mais letais do que muitas pandemias.

E tu, como estás a lidar com esta ameaça? Gostava de ler a tua opinião nos comentários.

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Alice Barcellos escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Silvergirl

09
Mar20

- deste vírus que me atormenta –

 

Terá sido o vento que o trouxe até mim,

Ou a saudade de me sentir abraçada?

Terá sido a ausência de um amor sem fim,

Ou a loucura de me julgar abandonada?

 

Quero respirar livremente,

Sem máscaras nem amarras que me prendam

Aos preconceitos de uma vida diferente,

À amargura de não me achar desejada.

E assim, soltei-me à chuva e dancei

Gritei que não podia mais esconder-me.

Fugi dos medos e da raiva escondida,

Travei batalhas com o meu inconsciente.

 

E quando me achava perdida,

No tumulto da saudade que afoga,

Julguei sentir o teu braço já esquecido

No meu sonho,

quase perdido,

Na minha cama,

tão vazia de agora.

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Silvergirl escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Gabi

09
Mar20

 Já não me lembro muito bem de como foi o anterior, mas tenho quase a certeza absoluta que não foi tão alarmante como este está a ser.

Sinto a pairar sobre nós uma nuvem cinzenta cada vez maior e mais escura.

Primeiro estava na China e pareceu quase um filme, até pela rapidez anunciada e concretizada na construção de um Hospital.

Depois foi-se aproximando, Itália, Espanha, e chegou cá.

Invadiu os telejornais, os jornais, as revistas e as conversas. Discute-se sobre a linha de apoio, planos de contingência, hospitais esgotados, quarentenas voluntárias, enquanto crescem os casos confirmados – para já serão nove, e os casos suspeitos não validados.

Cancelam-se voos e viagens eventos são adiados.

Fala-se sobre a prevenção – ouvi dizer que beber muita água e chá de erva doce ajuda, mas ainda não fui comprar o chá. É importante lavar as mãos, desinfectar tudo com lixivia. Evitar espaços fechados com muitas pessoas, cumprimentos e proximidade, e tossir para os cotovelos. Ligar para a linha de apoio se tivermos febre alta, tosse e/ou dificuldade respiratória.

Sinto-me já ligeira e hipocondriacamente resfriada.

Com a minha sorte se apanho isto, será já quando não há quartos livres, ainda terei de ir para uma tenda improvisada, sem livros, e poderei passar a seguir para outro plano mais quente. O que não queria era contagiar ninguém.

Por isso espero que descubram depressa um remédio e uma vacina.

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Gabi escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Daniela Maciel

09
Mar20

— João, vê se vais para casa descansar — disse-lhe a colega de laboratório, mesmo antes de se ir embora, ao final do dia.

João acenou-lhe com a mão, enquanto abanava a cabeça, prometendo obedecer ao seu conselho. Contudo, não tinha qualquer intenção de abandonar o que estava a fazer. Tal como no dia anterior. E no dia antes desse. E em nenhum dos dias que se seguiram ao desabar do seu mundo.

Recordava-se perfeitamente do dia em que ouvira pela primeira vez falar do vírus porque fora também o dia em que descobrira que iria ser pai.

Há uma semana que não saía daquela sala de laboratório. Tornara-se o seu refúgio. O seu santuário.

O seu purgatório.

Se ao menos tivesse sido suficientemente rápido…

Nos primeiros dias ninguém atribuiu muita importância ao aparecimento do vírus. Porém, à medida que os casos se começaram a multiplicar, o pânico instalou-se nas populações. As primeiras mortes revelaram que se estava perante algo realmente grave. E quatro meses depois não havia um único país no mundo que não tivesse dezenas de casos confirmados.

Há uma semana que João não dormia, excetuando aquelas duas horas que se autorizava a parar. Alimentava-se de café e de uma ou outra sandes, mas sabia que não aguentaria muito mais tempo. Sentia que o seu corpo se assemelhava a uma bomba atómica pronta a explodir.

Mas não podia parar. Sabia que estava prestes a alcançar a descoberta que todos ansiavam. Uma descoberta que, contudo, lhe era inútil, uma vez que nada lhe poderia devolver o que perdera.

O mundo não estava preparado para ouvir aquela declaração de pandemia. Mas ao quinto mês o vírus infetara já dois milhões de pessoas. E ao sétimo mês os investigadores lutavam contra três estirpes diferentes.

João afastou-se da bancada onde trabalhava e dirigiu-se à casa de banho. Tirou as luvas e a máscara e atirou-as para dentro do caixote do lixo. Lavou as mãos e a cara. Sentia a testa e as bochechas demasiado quentes. Havia momentos em que se sentia à beira de desfalecer. O cansaço era muito e o corpo não parava de lhe tremer.

Recompôs-se e fitou o seu rosto no espelho. O rosto do desespero. Um destroço humano. Um homem que, apenas alguns dias antes, se agarrara ao corpo moribundo da mulher. Chorou. Berrou. Gritou por ela e pelo filho que nunca viria a conhecer.

Tinha sido vencido pelo vírus.

A única coisa que lhe restava, mesmo sabendo que chegara tarde demais, era ter a certeza de que seria capaz de o aniquilar.

Arrastou-se de novo para a bancada, sendo assolado por um ataque de tosse.

O derradeiro teste chegara. Não havia mais tempo. E tinha a cobaia perfeita.

Agarrou a seringa onde preparara a vacina e injetou-se no braço.

 

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Daniela Maciel escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Catarina Reis

09
Mar20

Deixei de ver noticias! Sei que parece um autêntico disparate mas não consigo mais ouvir falar mais em Corona. Os repórter tentam por todo o meio convencer as pessoas que estamos perante um vírus altamente mortal. Estão a fazer o papel deles afinal quanto mais as pessoas estiverem em pânico maior será o numero de noticias que vão consumir. São as audiências televisivas a subir, as vendas de jornais a crescer e as consultas online a disparar.

 

Eu cá não sou muito pessimista pelo que não estou muito preocupada com o assunto. Pelo dados que fui apanhando o vírus não é assim tão mortífero e se for logo se vê. Nunca fui de sofrer por antecipação.

 

Se nos tocar é mais um que se junta a coleção já bastante extensa. Ainda agora nos despedimos de um que se alojou numa anca de um dos gémeos. Na verdade já são visitas frequentes da casa, de tal forma que já estranhamos quando estamos sozinhos. Por vezes, nem sei para que vamos ao médico já que a resposta é sempre um Vírus.

 

Depois deste virá outro e mais outro. Tem sido assim desde que me lembro e provavelmente será assim até que algum me leve. Por isso vou aproveitar a vida hoje que o amanhã ainda vem longe

 

P.S. :Não tenho a despensa cheia, nem mascaras, muito menos desinfetantes e álcool só se for nalguma garrafa de vinho. Para além disso tenho uma viagem marcada para breve. Eu e a minha mania de ser do contra 😊

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Catarina Reis escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Ana Catarina

08
Mar20

“Oh não, um vírus outra vez.”

Pensei eu ao massajar a testa enquanto lia a mensagem da Olivia a combinar um café para me contar sobre um gajo que conheceu.  Mais do mesmo, é uma constante por aqui. Mas pessoalmente é pior.

O brilho nos olhos dela frustra-me, não por não gostar de a ver feliz, mas por saber como acaba. Não é que eu seja adivinho, mas é que é sempre igual.
E começa sempre com “Lucas!!! Nem sabes!”.  Só que eu sei. O problema é que eu sei sempre. Sei mesmo sem que ela fale. São os olhos dela. Os olhos falam por ela.

Quando ela chega, como o sol depois de uma semana de chuva, com um sorriso que começa no olhar dela e termina no meu coração. Já sei que vem algo que me vai custar imenso engolir. E ela nem sabe.

Com aquele olhar ela consegue demolir qualquer esperança de um dia ser eu o motivo do brilho nos olhos dela. Mas com aquele olhar ela também consegue iluminar uma cidade inteirinha.

Eu faria tudo, para a ver feliz, mas falha-me a coragem. E quando a ganho nunca chego a tempo. As flores acabam sempre por ir para a minha mãe. Que no início estranhou, mas passado dez ramos, começou a acreditar que eram para ela. Anda mais feliz, haja alguém.

Queria tanto abrir-lhe os olhos. Mas não consigo, a Olivia acaba sempre infetada com estes vírus que passam de pessoa para pessoa como se todas fossem iguais. Não são, especialmente ela. É diferente, tão diferente. Eles não veem isso, fazem juras e promessas, alimentam-lhe a esperança e entram como um cavalo de Troia para no fim destruírem tudo aquilo que eu tinha acabado de reconstruir desde a última vez.  

A culpa não é dela, é amável, quer ver sempre o lado bom, tem sempre o copo meio cheio.

É melhor eu encher o meu porque já sei que a conversa vai ser longa.

“Lucas!!!” Sinto-a apressar o passo para entrar na pastelaria, esta, onde lanchamos desde pequenos. Nada mudou, nada muda. Infelizmente.

“Livi” – Levanto os olhos do copo enquanto ela se aproxima e ouço o mesmo de sempre.

“Nem sabes, conheci um rapaz a semana passada, e ainda não parámos de falar é surfista vive em Corona - CA, veio passar férias. Acho que me estou a apaixonar…”  Lá vamos nós outra vez.

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Ana Catarina escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Charneca em Flor

08
Mar20

Última hora: A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de declarar que identificou um novo vírus. A disseminação deste agente é extremamente rápida e atinge pessoas de qualquer idade.


Não, não estamos a falar do Covid-19 embora tenha aparecido, de algum modo, associado ao vírus que surgiu a Oriente.
As pessoas que sofrem desta nova patologia viral não têm nem febre, nem tosse, nem espirros nem sequer dores musculares embora se tenha detectado algumas situações de tendinite* que podem, ou não, estar relacionados com a virose.
A doença provocada apresenta uma sintomatologia nunca vista. Há que estar atento a sensações de ansiedade, medo ou mesmo pânico nos casos mais graves. Algumas pessoas têm dores de cabeça e secura ocular devido ao tempo que despendem a olhar para aparelhos electrónicos. Quem sente compulsão para comprar máscaras cirúrgicas ou desinfectantes para as mãos pode já ter sido atingido pelo terrível vírus. Os doentes foram vistos a encher o carrinho de supermercado com pacotes de leite ultrapasteurizado, água, enlatados, pacotes de bolachas, massa ou arroz, tudo em quantidades impressionantes e muito superiores às necessidades quotidianas.
A OMS tudo tem feito para tentar travar a progressão deste microorganismo virtual mas os especialistas crêem que poderá mesmo provocar uma infodemic, uma situação inédita neste século embora se tenha andado muito perto de um caso semelhante em 2009 aquando da Gripe A.
A origem do vírus ainda não está completamente estabelecida mas tudo indica que se deve à rápida difusão de informações pouco rigorosas ou mesmo falsas em variadíssimos suportes.
A melhor prevenção para evitar esta infecção é manter a distância, não só de pessoas doentes como no caso do Covid-19, mas principalmente de redes sociais como o Facebook ou o Twitter, de caixas de comentários de jornais ou mesmo de certos meios de comunicação social. A profilaxia consiste também em procurar informação em páginas fidedignas como a DGS, Direcção Geral de Saúde, o ECDC (Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças) ou a OMS.
Os especialistas daquele organismo internacional já estão a discutir uma possível designação para este novo agente patogénico. Até agora o nome que reúne maior consenso é VHE, ou melhor dizendo, Vírus da Humana Estupidez.

P. S. – Este texto é um exercício de escrita criativa mas nem tudo o que está escrito é ficção.

*Por estarem muito tempo a clicar nas teclas do computador ou no ecrã do telemóvel.

 

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Charneca em Flor escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Maria Araújo

08
Mar20

Século XXI, o século das epidemias, de que se foram lembrar os Pássaros para o tema da semana?! Oh não, um vírus!!!... que pode ser do computador.
O Coronavírus (COVID-19), o segundo do século XXI (em 2009, a gripe A (H1N1)), é tema nas notícias, deixa o mundo preocupado e atento. Sobre este, estejamos cautelosos e cumpramos as regras de higiene, fazemos muito por nós.
Outros vírus existem, infecciosos, os que nascem no ser humano, os da consciência, aqueles que afectam as pessoas que desejam uma vida simples, com o suficiente para ser feliz. É o da inveja, o mais perigoso.
No trabalho, na rua, no supermercado, todos os dias cruzámo-nos com pessoas que gostam de mostrar poder, usando de arrogância, achando-se os melhores, invejando o que os outros têm, denegrindo a imagem de quem tem . São pessoas tóxicas que atazanam a nossa mente.
Há muitos anos, vivi uma amizade de confidências e de cumplicidade com uma colega de trabalho e que parecia ser para toda a vida.
De repente, percebi que essa pessoa fazia comentário indevidos, tornou-se arrogante, não me olhava de frente.
Eu fazia perguntas a mim mesma sobre o que fizera de errado, via maldade naquele coração.
E não tendo respostas às minhas perguntas, perguntei-lhe o que se passava, o porquê da sua indiferença: " não é nada" . E o seu comportamento continuava.
Dentro de mim existia um sentimento de culpa daquilo que não fiz, a indignação e a dor aumentavam à medida que o tempo passava. Foi uma facada que recebi nas costas.
E foi então que comecei a prestar mais atenção à pessoa. A pessoa que eu pensava ser amiga e altruísta, não passava de uma manipuladora invejosa, que vivia mal com o sucesso de alguns, e bem com o infortúnio de outros, intriguista, criticava tudo e todos que trabalhavam com ela.
Com alguma tristeza pelos anos de amizade ( falsa) que dedicamos, continuar a trabalhar com ela era um suplício, a sua inveja e raiva em alguns momentos eram de ódio.
Acabei o curso, mudei de emprego e profissão, escapei a este venenoso vírus.
Ficou viúva.
Com o respeito que tinha pelo marido, fui ao velório.
Abracei-a.
Os meus olhos foram atingidos por faíscas de ódio.
Olhei o corpo do defunto, da pessoa excelente que foi e disse-lhe: "Desculpa. Não estou aqui a fazer nada".
E saí com o coração mais triste que nunca.

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Maria Araújo escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.6 - Mariana

08
Mar20

— Estou a morrer, Ana Marta! Foi o vírus, aquele malandro... Apanhou-me, o maldito apanhou-me! E agora, o que vai ser de mim? Já vejo a luz... Estou-te a dizer, Ana Marta, já vejo a luz!

— Olha, sabes que vírus é esse? Chama-se vírus vouterebentartodocabrão!

— Vou-te rebentar todo cabrão?

— Sim, caralho! Não andaste a meter like na foto de uma tal Maria Joana no Facebook? Tu achas que eu não te vejo, mas olha que eu sei cada passo que tu dás, filho da puta!

— N-não sei d-do que falas, não conheço nenhuma M-Maria Joana... Onde é que vais, Ana Marta? Ana Marta? Ó mulher, para que é que trazes a colher de pau?

 

Tema da semana: Oh não, um vírus outra vez!

Mariana escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook