Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desafio de Escrita

Tema #2.3 - Catarina Reis

18
Fev20

O desafio desta semana consiste na criação de um manual para iniciar relacionamentos. Apesar de ter uma relação de vários anos não sei bem o que partilhar neste manual. Talvez porque os relacionamentos não são todos iguais, afinal se nós somos todos diferentes não nos podemos relacionar da mesma forma. O que resulta para uns não funciona para os outros. Se uns acham que a relação sobrevive com muitos passeios e passeatas, outos defendem que é melhor passarem tempo a sós no sossego da casa. Existe quem diga que o não ter preocupações monetárias ajuda o relacionamentos enquanto outros defendem que as adversidades unem o casal. As opiniões sobres os filhos, sobre gostos semelhantes ou diferentes, regimes alimentares e religião também não são uniformes.

Assim sendo resolvi deixar a minha opinião pessoal. Não vou partilhar convosco a receita infalível apenas noções básicas que podem ajudar.

O ponto principal numa relação é respeito mutuo. Respeitar e ser respeitado é meio caminho andado para um bom entendimento.

Não pode existir violência de forma alguma. Nem física, nem psicológica. Caso isto aconteça a relação está condenada ao fracasso.

Não abdicar de sonhos ou gostos pelo companheiro.

Nunca pedir ao companheiro para alterar os seus sonhos ou gostos.

Aceitar as diferenças e abraçar as igualdades.

Aceitar discordar e negociar até os mais pequenos pormenores de uma vida conjunta.

Trabalhar no relacionamento e nunca deixar o amor esmorecer

Terem tempo para passarem juntos e tempo para cada um. O tempo pessoal é muito importante e muitas vezes esquecido.

Trabalharem em conjunto e não um contra o outro.

Poderia falar muito mais coisas mas considero que os pontos principais são estes.

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

Catarina Reis escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.3 - Lara Monteiro

18
Fev20

Eva sentia-se à beira do abismo. Era a segunda relação longa que tinha e que, ao fim de mais de 10 anos, ia por água abaixo. Sentia-se sem forças para tentar novamente. Sentia que não tinha direito a ser feliz. Que ela, que deva sempre tudo pela outra pessoa, era sempre traída. O problema tinha de ser dela!

Às vezes pensava que deveria de haver livros que ajudassem nestas coisas. E não eram livros de psicologia ou de auto-ajuda. Eram livros que ensinassem como nos comportar nos relacionamentos, o que fazer e não fazer. Livros que mostrassem tanto a homens como a mulheres o que era certo e/ou errado numa relação. Porque se ela parecia saber, as outras pessoas não. Ler sempre lhe fizera bem... talvez estes livros mudassem a perspectiva que temos todos do que é o amor, do que é amar.

 

Queria acreditar que ainda ia ser feliz. Merecia isso. Todas as pessoas merecem. Mas...talvez o que ela precisasse era um "Manual para iniciar relacionamentos"…talvez o problema não fosse o fim. Porque muitas vezes não importa como acabam as coisas, mas sim como começam!

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

Lara Monteiro escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.3 - Maria

18
Fev20

Em dia de S. Valentim, o amor vai estar no ar

Há muitos Amo-te e Gosto de Ti

Há muita gente a se declarar

E outros tantos a pensar - o que foi isto que eu senti?

Não rumam todos para o mesmo lado, não estão sempre em sintonia

Uns dias  se for preciso até cantam o fado, com aquele ar de poesia.

Noutros dias poderá  ser tudo muito desfocado, longe de ser uma alegria.

Estes são dias de gastar mais uns trocos

E o tempo de dar um peluche já lá vai

hoje em dia são outros focos

até que um dia a ficha cai.

Não é fácil para quem está solteiro nesse dia só de lamechice

Em qualquer lado são só corações, no restaurante não há lugar

tudo para acabar na traquinice

mas tens que pagar o jantar a dobrar.

Seja por opção ou porque calhou

a todos os que não têm par

vejam bem o que sobrou 

e tentem um Manual para iniciar relacionamentos arranjar.

Não sei se será de fácil leitura,

mas diz que para bom entendedor meia palavra basta,

o que é certo é que têm que estar ambos com a mesma abertura

senão vão andar ali só no arrasta.

Não brinquem com o sentimento

A vida dá voltas e o mundo gira

um dia brincas no outro és brinquedo

vai na volta a gente pira!

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

Maria escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.3 - 3ª Face

18
Fev20

heart-shape-1714807_1280.jpg

Olho o seu vulto coberto por um fino tecido branco e percebo, pela primeira vez, o significado da perda.

Aquele corpo, que me acompanhou desde que tenho memória, mantém-se inerte.

O meu tio-avô Dino, o Diamantino, partira.

E com ele, veio o primeiro contacto com a morte, com os rituais fúnebres e com a vida-tal-como-ela-é.

Enquanto olho, correm-me as memórias e o quanto aprendi com ele.

Era um apaixonado por cinema e grande parte do dinheiro que recebia da reforma gastava nas viagens para a cidade, onde devorava todos os filmes em estreia.

Sempre foi a minha companhia e as conversas intermináveis ensinaram-me quase tudo da arte de viver…e de amar.

Adorava falar-me das namoradas e da forma como as cativava.


Na altura, não percebia porque me confidenciava que as dezenas ou mesmo centenas de mulheres que passaram pela sua vida o tratavam por Dinão. Tal como um dia me chamariam Pontão, assegurava ele.

Ensinou-me truques para as atrair, tal como os olhares de D. Juan e as conversas de apresentação com humor malicioso.

Falava-me da importância de ouvir o que elas não dizem mas que exigem que adivinhemos.

Onde devemos tocar para as levar à loucura.

Contava-me algumas das suas belas histórias de amor, da dança na praia, da instrutora da tropa que levava a passear na mota, de como fez um banquete no corpo de uma mulher…

- Um dia, escrevo um manual para iniciar relacionamentos – Costumava murmurar para rematar as conversas.


- Que estranho não aparecer nenhuma das antigas namoradas do tio Dino, aqui no velório… - comentei com a minha avó Pulquéria.

- O quê, filho? – Quase que os olhos lhe saltaram, a fixarem os meus.

- Alguma antiga namorada do tio…

- Namorada? O Diamantino teve uma doença grave, quando era mais novo que tu, que o tornou impotente. E nunca na vida teve uma namorada!!!!


A morte é apenas a morte.

Mas a vida!?

Ah, a vida é tal-como-ela-é, tio Dinão!

Pode ser tudo aquilo que queremos que ela seja...

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

3ª Face escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.3 - Triptofano

18
Fev20

Miguel olhou para a capa do livro que aparecia sedutiva no ecrã do seu tablet.

Desafio de Escritas dos Pássaros #2.3 - Secobarbital

Por toda a Internet só se falava deste livro, um manual para iniciar relacionamentos que consistia em 36 perguntas infalíveis para dois desconhecidos apaixonarem-se perdidamente.

Miguel percorreu todas as perguntas que estavam divididas em três grupos, desde Tem uma intuição secreta de como vai morrer?, passando por Como se sente em relação à sua mãe? e acabando num Se fosse morrer esta noite sem possibilidade de falar com ninguém, o que lamentaria não ter dito a uma pessoa? Por que não disse até agora?, lendo atentamente a explicação de porque é que cada pergunta e consequente resposta eram importantes para que no fim do processo dois desconhecidos ficassem unidos pelo energia mais forte do universo: o amor!

Quando terminou de ler o livro Miguel esboçou um sorriso triste enquanto com um golpe de nuca desligou o tablet. Aquele manual até podia funcionar, mas não para ele.

Tinha ficado tetraplégico há quarenta anos atrás. Um salto mal calculado para uma piscina deixou-o totalmente dependente de terceiros, preso numa cadeira eléctrica que conduzia com o queixo. A namorada da altura ainda o visitou durante alguns meses, até encontrar um novo amor, com pernas e braços que funcionassem. Miguel não a condenava, com 17 anos ninguém merecia ficar preso a um fardo daquele tamanho.

Alguns amigos permaneceram durante um pouco mais, mas a vida levou-os para outros caminhos, enquanto que Miguel estava preso num beco sem saída. Apenas lhe restava a mãe, beata de nascença, que entre rezas e terços o alimentava, vestia, dava-lhe banho, trocava a fralda e todos os dias o "confortava" dizendo que o sofrimento dele era um desígnio do Senhor; e a Internet, que navegava velozmente usando um teclado especial que aprendeu a utilizar com pancadas secas da nuca.

Gostava de flertar com mulheres na Internet, usando fotos de outros homens, encantando-as com o seu humor mordaz e as histórias fantasiosas de como era um amante sem limites, mas no fim do dia Miguel sabia o que era, uma cabeça presa num monte de carne inútil.

40 anos depois Miguel já não aguentava sobreviver mais daquela forma, queria somente um bilhete dourado para um vida noutra dimensão sem sofrimento, mas não o conseguia fazer sozinho. Não era como se pudesse abrir a porta de casa e atirar-se pelas escadas abaixo na esperança de partir o pescoço: para poder morrer tinha que ter a ajuda de alguém.

Com o subsídio de invalidez que recebia todos os meses poupou o suficiente para uma viagem sem regresso para a Suíça, onde um comprimido mágico o libertaria da sua prisão. Mas não tinha forma de ir, porque a única pessoa que o podia ajudar era a mãe, que se opunha totalmente entre gritos e ameaças de fogos infernais à ideia de que ele pudesse morrer de forma não natural.

Miguel também não queria que ela sofresse por causa da sua decisão, não queria que ela sentisse uma facada nas costas depois de tantos anos devotamente a cuidar dele.

Um mar de lágrimas inundou-lhe os olhos. Amava a mãe mas uma parte dela queria que ela morresse para se poder libertar. Sabia que quando ela não estivesse mais naquele mundo para tratar dele teria que ir para uma instituição.

Talvez aí encontrasse alguém que o quisesse levar à Suíça. Ou nessa altura já teria ocorrido a despenalização da eutanásia, e ele poderia finalmente ser dono de si próprio.

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

Triptofano escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.3 - Gabi

18
Fev20

Manual para iniciar relacionamentos

Para começar deite fora todos os manuais, inclusive este… mas só depois de o ter lido

REGRA PRIMEIRA, MAIS IMPORTANTE E ÚLTIMA

Não há regras, não há manuais.

Podem-se iniciar relacionamentos de mil e uma maneiras…

mas a ser assim…. então talvez se possa conservar algum manual ou manuais que se tenha, porque por sorte podem coincidir no que dizem com uma das mil e uma maneiras de se iniciar um relacionamento

(bem mais importante do que o iniciar, pode ser o como terminar ou como manter um relacionamento).

Em princípio, para iniciar um relacionamento poderá ser boa ideia não ficar em casa, excepto se a nossa casa for frequentada por alguém com quem queiramos iniciar um relacionamento, (mas o que estaria lá a fazer sem que tivéssemos já um qualquer relacionamento?)

Ocorreu-me agora que também se podem iniciar relacionamentos através da Internet. Como tendo blogues, participando em desafios de escrita, etc., e aí em princípio poder-se-á estar em casa.

Portanto ir lá para fora (esquecendo o que consta dos anteriores parágrafos) e estar disponível, arriscar, querer de verdade conhecer alguém que também esteja interessado em conhecer-nos (excepto se for um psicopata assassino)

Poderá ser o início de uma bela amizade.

Outras ideias, como ouvi hoje ou melhor ontem, arranjar um cão e ir passeá-lo, ir assistir a um jogo de futebol e dizer mal da equipe dos adversários, excepto se só tivermos conseguido um lugar no meio deles, e sair com amigos que trazem outros amigos.

Por fim, irei revelar aqui e pela primeira vez, a regra de ouro que nunca falha para se iniciar relacionamentos que é:

 (já não vai ser possível porque excederia o limite de palavras, só por isso)

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

Gabi escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook

Tema #2.3 - Daniela Maciel

18
Fev20
  A alma gémea
 
A primeira coisa que fez ao acordar foi olhar para o telemóvel.

14 de fevereiro, disse, em voz alta, para ninguém.

Suspirou, resignada. Atirou o telemóvel para o lado vazio da cama e fitou o teto.

Aquele era só o 26º Dia dos Namorados da sua vida em que acordava sozinha, sem um companheiro a seu lado. Não ia receber nenhuma das prendas lamechas que, por esses dias, inundavam as montras das lojas.

Algo de realmente preocupante se passava com ela. Como é que era possível que nunca tivesse tido um namorado? Que nunca se tivesse apaixonado?

Seria assim tão difícil encontrar a sua alma gémea? O tal que lhe provocaria as tão almejadas borboletas na barriga?

Existe uma alma gémea para cada um de nós. Esta era a frase que a sua youtuber favorita dizia todos os dias. Tornara-se famosa por dar conselhos amorosos nos seus vídeos e publicou, mais tarde, o Manual para iniciar relacionamentos, um livro para todos aqueles que procuram a sua alma gémea.

Contudo, nem os conselhos desta especialista funcionavam consigo. E acreditem, já tentara de tudo.

Atirou com os cobertores para trás e levantou-se. Não tencionava ficar nem mais um segundo na cama a lamentar-se da sua falta de sorte no amor.

Afinal, todos os dias eram bons para encontrar a nossa alma gémea.

Enquanto se vestia, ouviu o som de uma notificação no seu telemóvel. Agarrou nele. Era um lembrete para visitar a nova loja que abria nesse dia no centro da cidade.

Entusiasmada, acabou de se preparar, agarrou numa peça de fruta para comer pelo caminho e saiu de casa. Queria ser a primeira a chegar.

Pelo caminho, sorriu a todas as pessoas com quem se cruzou. Sentia no ar uma sensação de bom augúrio.

Não foi a primeira a chegar à loja, mas isso acabou por não ter importância. No momento em que se aproximou da montra para espreitar para o interior, todos os fracassos da sua vida desapareceram.

A sua barriga deu um salto. Sentiu um arrepio percorrê-la. Só podiam ser as tais borboletas.

Encontrara-o. O tal. Tinha a certeza, apesar de ainda não o conhecer.

Aproximou-se da porta, sem nunca desviar os olhos dele, e deu o primeiro passo.

Assim que entrou, ele fitou-a. Oh meu Deus, ele tinha o nariz mais amoroso que vira em toda a sua vida! E os olhos, tão vivos que pareciam sorrir! Ok, era um bocado peludo e talvez um pouco magro demais, mas o amor não se importa com o aspeto físico.

O amor sente-se.

Acabara de encontrar a sua alma gémea.

Sorriu, maravilhada.

Ia adotar aquele cãozinho.

Tema da semana: Manual para iniciar relacionamentos

Daniela Maciel escreve aqui

Acompanha todos os posts deste desafio aqui

Segue-nos na nossa página do facebook